sábado, 8 de janeiro de 2011

Surto de diarreia em São Paulo


Um surto de diarreia atingiu o Guarujá e a Praia Grande, no litoral sul paulista, neste verão. Ainda não se sabe se a doença é causada por vírus ou bactéria.

Por causa do surto, os hospitais do Guarujá estão cheios. No principal pronto-socorro da cidade pacientes tiveram de esperar mais de três horas por medicação.

Nos primeiros cinco dias do ano, segundo a Prefeitura do Guarujá, 700 casos foram registrados nos hospitais públicos --uma média de 110 a 140 por dia. O número é três vezes mais alto que o normal.

No hospital Santo Amaro --particular--, foram atendidas 400 pessoas em um dia. No Medical Care, foram 180, segundo o médico Ricardo Auad, que trabalha nos dois.

Os dados da prefeitura são preliminares, mas podem indicar que o surto seja maior. No verão passado, entre dezembro de 2009 e janeiro de 2010, foram 1.774 casos --média de 29 por dia.

Em Praia Grande também houve casos da doença. Do Natal até quinta, eram 320 casos. O normal é de 50 a 60 a cada dez dias. O número, no entanto, é menor que o do Natal de 2009 e os primeiros dias de 2010: 1.600.

Lilia Rolandia da Silva, 40, foi ao hospital em Guarujá com a filha Priscila Meirelles, 17. Desde quinta, elas estão com vômito e diarreia. Ela creditava a doença à água da cidade.

Vanuza Araújo, 43, passou mal na semana passada e ontem levava a mãe ao hospital. "Quando chove, sai até folha pela torneira", disse.

A prefeitura diz que a vigilância epidemiológica fez testes na água e não detectou nada de anormal.

Para o gerente de urgências da prefeitura, Augusto Bustamante, ainda não é possível saber se o causador do surto é uma bactéria (transmitida por alimentos ou água) ou um vírus (transmitido pelo ar) porque o número de casos testados ainda não permite a conclusão.

Resultados conclusivos só devem sair em 30 dias. "O laboratório Fleury alertou que o norovírus pudesse afetar o litoral", disse ele.

Celso Granato, infectologista do Fleury, diz que o laboratório fez o aviso com base em relatos sobre o vírus em alguns navios. No entanto, ele afirma que o norovírus costuma espalhar-se em ambientes fechados.

Nenhum comentário: